Pular para o conteúdo principal

A INFELICIDADE CONSENTIDA

Resultado de imagem para A infelicidade consentida

A infelicidade consentida

Um defeito que nos acompanha pela vida é essa necessidade de mensuração das vivências. Usamos fita métrica até pra estipular quanto vai durar um sentimento.
Não sabemos mais sentir, temos receio do que dura. Quando nos deparamos com uma situação difícil, apertamos a alavanca do passado pra dizer que era melhor. Mais isso, mais aquilo.
Vivemos nessa ponte de lamúrias, onde o passado só reflete o quanto estamos paralisados. Usamos o hábito da fuga retrô pra apontar o quanto éramos felizes, o quanto éramos dispostos, o quanto éramos festivos, e o contraponto com o presente só deixa claro o quanto definhamos e perdemos a essência.
Vivemos somente pro tanto de emoção que conseguimos lembrar. O que passar disso é cálculo errado. Exagero.
Não recebemos o que transborda porque nos acostumamos com esse prato raso de boas ações calculadas e sentimentos travestidos de amor. Às vezes, um amor se vai porque não sabemos reconhecê-lo. Não foi a abordagem que mudou, nós é que passamos a usar tapumes no lugar dos olhos pra evitar a simplicidade do que é profundo.
Não temos armas, mas temos dedos apontados, que é a mesma coisa. Ferimos o outro enquanto ele balbucia pra iniciar uma carícia verbal. Nos distanciamos pra evitar o toque. Em nome da nossa estabilidade emocional, preferimos não perder tempo com “sentimentalismos”. No fundo, não queremos fazer nada que não esteja na pauta diária da normalidade. Nada que nos faça vibrar por dentro. Preferimos a comodidade do “eu era feliz e não sabia”, pra continuarmos infelizes sabendo.
Pra continuarmos mergulhados na inércia do passado, na pseudoalegria que não contamina o presente. Nas lágrimas saudosistas de um sentimento que só depois de muitos anos foi promovido ao rol dos alegrinhos, pois o tempo tem mania de retirar o peso dos acontecimentos e enfeitá-los.
Logo esse “presente” terá/será passado, e certamente, você irá procurar os adjetivos mais interessantes, os melhores adornos pra torná-lo atraente. E vai fazer a mesma coisa, repetir “que era feliz sem saber”, quando jamais resvalou em alegria alguma. Apenas transferiu a ilusão de uma época pra outra sem jamais perder a mania de se enganar.
Fonte:http://www.contioutra.com/a-infelicidade-consentida/?

Postagens mais visitadas deste blog

7 DICAS PARA NÃO ABSORVER A “ENERGIA NEGATIVA” DE OUTRAS PESSOAS

7 DICAS PARA NÃO ABSORVER A “ENERGIA NEGATIVA” DE OUTRAS PESSOAS Se eu não consigo me desligar da dor ou mesmo das oscilações de humor do outro, logo, eu também sofro com elas e, pouco posso fazer para ajudar, uma vez que estou imerso na mesma fonte de desestabilização emocional. Basta que qualquer matéria sobre empatia seja postada para que dezenas de pessoas (que se identificam como empatas) comentem sobre o lado difícil do excesso de sensibilidade. Não é novidade, também, o fato de existirem pessoas que são, voluntaria ou involuntariamente, mais reativas ao que acontece no ambiente ao seu redor. Para elas, a dor do outro dói em si, o mau humor de alguém as abala e as deixa mal humoradas, notícias pesadas as fragilizam e muito estímulo – como estar no meio de multidões e grandes grupos -, as consomem. A questão é: se eu não consigo me desligar da dor ou mesmo das oscilações de humor do outro, logo, eu também sofro com elas e, pouco posso fazer para ajudar, uma vez que estou imerso na me…

A VIDA NÃO TIRA AS PESSOAS DE VOCÊ, AFASTA AS QUE VOCÊ NÃO PRECISA!

A VIDA NÃO TIRA AS PESSOAS DE VOCÊ,  AFASTA AS QUE VOCÊ NÃO PRECISA!
Quando se trata de salvaguardar o nosso amor próprio e a nossa dignidade, temos que ter sempre algo em mente: não podemos admitir diminuições. Por isso dizemos que a vida não tira as pessoas de nós, mas nos afasta das que não precisamos. Os vínculos emocionais são valiosos e, por isso, é determinante deixar de lado as pessoas más, sem coração, que esmagam a nossa autoestima vezes sem conta. No momento em que você perceber isso, um mundo novo irá se abrir diante dos seus olhos e você vai deixar de precisar da presença daqueles que semearam dúvidas, desconforto e relutância na sua cabeça. Dê a sua ausência às pessoas que lhe fazem malAfaste-se de quem duvida de você, aproxime-se de quem o valoriza, liberte-se de quem o incomoda e ame quem o apoia. Dê a sua ausência de presente a quem não valoriza a sua presença e mostre o valor que você tem. É você quem determina o seu próprio preço, por isso, é esse o valor que as pessoas …

"A BASE DE UM CÉREBRO SAUDÁVEL É A BONDADE,E PODE-SE TREINAR ISSO" - RICHARD DAVIDSON,PhD EM NEUROPSICOLOGIA

“A base de um cérebro saudável é a bondade, e pode-se treinar isso”-Richard Davidson, PhD em neuropsicologia e pesquisador na área de neurociência afetiva
Nasci em Nova Iorque e moro em Madison, Wisconsin (EUA), onde sou professor de psicologia e psiquiatria na universidade. A política deve basear-se naquilo que nos une. Só assim poderemos reduzir o sofrimento no mundo. Acredito na gentileza, na ternura e na bondade, mas temos que nos treinar nisso. Eu estava investigando os mecanismos cerebrais ligados à depressão e à ansiedade. …E acabou fundando o Centro de Investigação de Mentes Saudáveis. Quando eu estava no meu segundo ano na Universidade de Harvard, a meditação cruzou o meu caminho e fui para a Índia investigar como treinar a minha mente. Obviamente, meus professores disseram que eu estava ficando louco, mas aquela viagem marcou meu futuro. …E assim que começam as grandes histórias. Descobri que uma mente calma pode produzir bem-estar em qualquer tipo de situação. E quando me dedique…