Pular para o conteúdo principal

AS PESSOAS BOAS NOS DÃO FELICIDADE; AS PESSOAS MÁS NOS ENSINAM LIÇÕES!

AS PESSOAS BOAS NOS DÃO FELICIDADE; AS PESSOAS MÁS NOS ENSINAM LIÇÕES!


É importante não apenas receber, mas também dar. Além de nos afastarmos daqueles que só nos causam mal-estar, devemos corresponder aos que nos fazem crescer como pessoas.
***
Começaremos ressaltando o fato de que ninguém é boa ou má pessoa. Não há um medidor que possa quantificar a bondade ou maldade das ações de cada um.
Entretanto, cada um de nós sabe quais foram os aspectos positivos e negativos que determinadas pessoas ou relações nos trouxeram.
As pessoas, em algumas ocasiões, atuam em prol de seus próprios interesses.No momento em que elas priorizam a si mesmas no lugar dos demais, recaindo em ofensas e decepções, já poderíamos considerá-las pessoas com uma influência negativa na vida daqueles que as rodeiam.
São eles que nos ensinam lições. Por outro lado, todos nós também temos relações positivas, de corações humildes e vozes sinceras, que nunca nos farão nenhum mal. São pessoas que sabem o valor da reciprocidade, do respeito… Aqueles que nos oferecem a felicidade.


As pessoas que ensinam lições e deixam cicatrizes

É possível que, ao ler este enunciado, você tenha se lembrado de determinadas pessoas que fizeram parte do seu passado. No entanto, nós também deveríamos fazer um pequeno ato de reflexão nos perguntando se causamos algum dano a alguém.
  • Temos que entender que não somos obrigados a nos darmos bem com todo mundo, e que, às vezes, também podemos acabar provocando a decepção nas pessoas que nos rodeiam.
  • Se, em alguma ocasião, teriamos que tomar uma decisão que sabemos que, de uma forma ou de outra, vai trazer consequências à outra pessoa, é necessário justificar por que o fazemos.
Um exemplo seria ter que terminar uma relação porque somos infelizes, porque deixamos de amar à outra pessoa.
  • Existem decisões que devem ser tomadas mesmo quando sabemos que vão causar algum dano. A razão disso é porque entendemos que manter uma determinada situação irá causar mais sofrimento do que felicidade.
Com isso, fica claro que, em um momento determinado, podemos atuar de uma forma que os outros classificarão como negativa. Entretanto, sempre há nuances, graus e situações diferentes.
 
  • Há pessoas que não se limitam a atuar deste modo em um instante específico de suas vidas. Há quem seja sempre assim, buscando sempre satisfazer as suas próprias necessidades, mesmo sendo consciente de que está preudicando os outros.
  • Este tipo de personalidades com que nos encontramos ao longo de nossas vidas, em algumas ocasiões, nos deixam cicatrizes. Devemos entender que é necessário deixá-las ir, tirá-las do nosso dia a dia e, em especial, de nossa mente e de nossos pensamentos.
Do contrário, seremos eternos prisioneiros de suas ações.

Mais do que pessoas “ruins”, existem pessoas que não sabem estabelecer relações positivas, que precisam de uma maturidade pessoal e emocional adequada. Elas não respeitam, não têm empatia com os outros, e muitas vezes não são conscientes das consequências de suas palavras ou atos.
Entenda esta convivência não como dramas ou como fracassos que mudaram a sua vida. Assuma-a como uma lição que deve ajudá-lo a seguir caminhando com mais segurança e serenidade.

As pessoas simples que nos oferecem felicidade

Há pessoas que carregam a humildade, que parecem ter magia em seus bolsos e que não se envolvem em egoísmos ou duplos sentidos. Estamos certos de que você conta com uma ou duas pessoas que possuem estas características em sua vida.
São poucos mas, sem dúvida, você não precisa de mais, porque eles lhe dão tudo.

O valor da reciprocidade

Um aspecto que devemos levar em conta é que ninguém dá tudo em troca de nada.Se alguém for bom com você, responda sempre da mesma maneira. Trata-se de trabalhar em equipe, de equilibrar a balança para que todos ganhem e ninguém perca.
A reciprocidade é saber reconhecer à outra pessoa em sua totalidade, compreendendo que ela merece respeito, que a valorizamos como parte de nós e que valorizamos tudo o que ela faz por nós.
E isso nos leva a agir sempre da mesma maneira.

A confiança que não trai, que sabe unir vínculos

As pessoas boas, as pessoas que enriquecem nossa vida nos ajudando no dia a dia a sermos melhores, estabelecem conosco um vínculo muito íntimo e especial.
  • Percebemos que somos respeitados, compreendidos e fortes por contarmos com o apoio de pessoas que nos amam.
  • Quem o ama não julga, não censura e não trai. Quem o ama pensará em você como nele mesmo, são pessoas que entendem o valor da empatia e que possuem uma boa maturidade emocional.
Em conclusão, se houver algo que devemos ter claro em nossas mentes, é que ao longo de nossas vidas iremos conhecer pessoas boas e pessoas não tão boas. E mesmo assim devemos aprender.

Evite se envolver com pessoas alheias que não servem para nada e limitam o seu crescimento pessoal. Deixe ir todo o mal que bateu a sua porta, assuma a lição e empreenda novos caminhos.
Porque o mundo está cheio de pessoas boas, e se por qualquer razão você ainda não encontrou nenhuma, nunca se esqueça de ser você mesmo uma delas. A melhor.

Fonte: - Visite o seu
Blog sobre bons hábitos e cuidados com a sua saúde.

Postagens mais visitadas deste blog

7 DICAS PARA NÃO ABSORVER A “ENERGIA NEGATIVA” DE OUTRAS PESSOAS

7 DICAS PARA NÃO ABSORVER A “ENERGIA NEGATIVA” DE OUTRAS PESSOAS Se eu não consigo me desligar da dor ou mesmo das oscilações de humor do outro, logo, eu também sofro com elas e, pouco posso fazer para ajudar, uma vez que estou imerso na mesma fonte de desestabilização emocional. Basta que qualquer matéria sobre empatia seja postada para que dezenas de pessoas (que se identificam como empatas) comentem sobre o lado difícil do excesso de sensibilidade. Não é novidade, também, o fato de existirem pessoas que são, voluntaria ou involuntariamente, mais reativas ao que acontece no ambiente ao seu redor. Para elas, a dor do outro dói em si, o mau humor de alguém as abala e as deixa mal humoradas, notícias pesadas as fragilizam e muito estímulo – como estar no meio de multidões e grandes grupos -, as consomem. A questão é: se eu não consigo me desligar da dor ou mesmo das oscilações de humor do outro, logo, eu também sofro com elas e, pouco posso fazer para ajudar, uma vez que estou imerso na me…

A VIDA NÃO TIRA AS PESSOAS DE VOCÊ, AFASTA AS QUE VOCÊ NÃO PRECISA!

A VIDA NÃO TIRA AS PESSOAS DE VOCÊ,  AFASTA AS QUE VOCÊ NÃO PRECISA!
Quando se trata de salvaguardar o nosso amor próprio e a nossa dignidade, temos que ter sempre algo em mente: não podemos admitir diminuições. Por isso dizemos que a vida não tira as pessoas de nós, mas nos afasta das que não precisamos. Os vínculos emocionais são valiosos e, por isso, é determinante deixar de lado as pessoas más, sem coração, que esmagam a nossa autoestima vezes sem conta. No momento em que você perceber isso, um mundo novo irá se abrir diante dos seus olhos e você vai deixar de precisar da presença daqueles que semearam dúvidas, desconforto e relutância na sua cabeça. Dê a sua ausência às pessoas que lhe fazem malAfaste-se de quem duvida de você, aproxime-se de quem o valoriza, liberte-se de quem o incomoda e ame quem o apoia. Dê a sua ausência de presente a quem não valoriza a sua presença e mostre o valor que você tem. É você quem determina o seu próprio preço, por isso, é esse o valor que as pessoas …

"A BASE DE UM CÉREBRO SAUDÁVEL É A BONDADE,E PODE-SE TREINAR ISSO" - RICHARD DAVIDSON,PhD EM NEUROPSICOLOGIA

“A base de um cérebro saudável é a bondade, e pode-se treinar isso”-Richard Davidson, PhD em neuropsicologia e pesquisador na área de neurociência afetiva
Nasci em Nova Iorque e moro em Madison, Wisconsin (EUA), onde sou professor de psicologia e psiquiatria na universidade. A política deve basear-se naquilo que nos une. Só assim poderemos reduzir o sofrimento no mundo. Acredito na gentileza, na ternura e na bondade, mas temos que nos treinar nisso. Eu estava investigando os mecanismos cerebrais ligados à depressão e à ansiedade. …E acabou fundando o Centro de Investigação de Mentes Saudáveis. Quando eu estava no meu segundo ano na Universidade de Harvard, a meditação cruzou o meu caminho e fui para a Índia investigar como treinar a minha mente. Obviamente, meus professores disseram que eu estava ficando louco, mas aquela viagem marcou meu futuro. …E assim que começam as grandes histórias. Descobri que uma mente calma pode produzir bem-estar em qualquer tipo de situação. E quando me dedique…